Mundo - Mídia Recôncavo
Recôncavo, Terça , 16 de Janeiro de 2018
Enquete
Entre Aspas
Seja amor,seja muito amor. E se mesmo assim for difícil ser, Não precisa ser perfeito, Se não der pra ser amor, Que seja ao menos respeito. #CultiveORespeito
  Disse Desconhecido  
Mundo

 O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta quarta-feira (17) o ataque contra a sede da Rádio Televisão Nacional de Afeganistão (RTA) em Jalalabad, capital da província oriental de Nangarhar, no qual pelo menos dois civis morreram. A informação é da "Agência EFE".

A reivindicação do ataque foi assumida por meio de um comunicado publicado pela agência de notícias "Amaq", vinculada aos terroristas, e divulgada por canais jihadistas no Telegram.

As forças afegãs mataram três membros do grupo, segundo informou à Agência Efe o porta-voz da Polícia de Nangarhar, Hazrat Hussain Mashriqiwal.

O diretor de Saúde Pública de Nangarhar, Najibullah Kamawal, apontou à Agência Efe que até há dois mortos e 17 feridos.

A província de Nangarhar, fronteira com o Paquistão, é uma das mais violentas do Afeganistão e fortalece o grupo jihadista Estado Islâmico no país asiático, além de ter uma importante presença dos talibãs.

 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, demitiu o procurador Preet Bharara. "Não renunciei. Fui demitido há alguns instantes", diz o procurador de Nova York hoje (11) no Twitter. 

O procurador é famoso por combater a fraude financeira em Wall Street. Ele foi demitido após ter se recusado a renunciar. Ele foi um dos 46 procuradores nomeados pelo governo anterior, de Obama, que o Departamento de Justiça solicitou que renunciassem na última sexta-feira (10). Eram os últimos que continuavam nos cargos, os demais já haviam pedido demissão antes da posse de Trump.

"Ser um procurador em Nova York será sempre a maior honra da minha vida profissional", complementou Bharara na rede social.

A substituição da maioria dos procuradores federais é algo habitual quando há trocas presidenciais, mas Bharara encontrava-se em uma situação particular. Em novembro, enquanto era ainda presidente eleito, Trump reuniu-se com o procurador e pediu que continuasse no cargo.

Até agora se desconhece a razão pela qual o presidente mudou de opinião.

O promotor foi nomeado em 2009 e era um dos mais midiáticos dos Estados Unidos, atuou em casos de terrorismo internacional, narcotráfico e fraudes em Wall Street. Ele levou à prisão vários banqueiros e políticos por casos de corrupção.

As informações foram divulgadas pela Agência Télam com base em agências internacionais de notícias.

 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anulou na noite de quarta-feira uma norma proclamada por Barack Obama para que as escolas públicas do país permitissem aos alunos transexuais usar os banheiros e vestiários que prefiram em função do gênero com o qual se identifiquem.

 

Os departamentos de Justiça e de Educação disseram em uma carta enviada às escolas de todo o país que a orientação de Obama causou na época um pico em ações judiciais sobre como a orientação deve ser aplicada.

 

Agora cabe aos estados e distritos escolares interpretarem a decisão e determinar se os estudantes possam ter acesso ao banheiro que quiserem ou apenas o determinado pelo seu sexo biológico.

"Esta é a melhor maneira de se resolver a questão, no nível estadual e local", disse o secretário Betsy DeVos. "Escolas, comunidades e famílias podem se encontrar e em muitos casos encontrarem soluções que protejam todos os alunos", acrescentou.

 O governo dos Estados Unidos informou ontem que vai cumprir a decisão judicial que suspendeu o veto à entrada de refugiados, além de imigrantes de sete países de maioria muçulmana. Os departamentos de Estado e de Segurança Interna informaram que já passaram a permitir que pessoas com vistos válidos entrem no país e que deixarão de barrar viajantes de Irã, Iraque, Síria, Sudão, Somália, Líbia e Iêmen. Com a decisão, os quase 60 mil vistos suspensos após o decreto executivo do presidente Donald Trump serão aceitos, desde que não tenham sido fisicamente danificados. Em nota, a Casa Branca já informou que irá apelar da sentença.

O anúncio ocorre após o juiz federal de Seattle James Robart ordenar a suspensão em caráter temporário a ordem executiva emitida pelo presidente Donald Trump, na sexta-feira (3). A medida, que vale para todo país, foi o golpe mais duro até agora contra o polêmico decreto, que gerou protestos nos Estados Unidos e em várias cidades do mundo.

Robart bloqueou o decreto momentaneamente, enquanto estuda um recurso de amparo apresentado pelo procurador-geral do estado de Washington, Bob Ferguson. "A Constituição prevaleceu hoje", manifestou Ferguson, após a sentença. "Ninguém está acima da lei, nem mesmo o presidente."

Trump classificou como "ridícula" a posição do juiz James Robart. Por meio de seu Twitter, o presidente americano se manifestou neste sábado (4) sobre o assunto. "Quando um país não é mais capaz de dizer quem pode e quem não pode entrar e sair, especialmente por razões de segurança - grande problema!", escreveu o republicano em sua conta. "A opinião desse suposto juiz, que essencialmente leva a aplicação da lei para longe do nosso país, é ridícula e será anulada". O presidente argumentou ainda que "certos países do Oriente Médio concordam com a proibição".

Foto: Reprodução

O noticiário político dominou as atenções no mercado financeiro nesta terça-feira e deixou em segundo plano qualquer fato de outra natureza. A possibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se tornar ministro da Secretaria de Governo e os desdobramentos da homologação da delação premiada do senador Delcídio Amaral (MS) estiveram entre os principais fatores de influência nos negócios. Após um dia de noticiário intenso e muitas incertezas quanto aos próximos acontecimentos, a Bovespa fechou em queda de 3,56%, aos 47.130,02 pontos. Já o dólar terminou o dia cotado a R$ 3,7612, com alta 3,11%, maior porcentual em um único dia desde 16 de outubro de 2015. Também pesaram sobre os negócios as especulações em torno do uso de parte das reservas para o pagamento da dívida pública. Já a acusação de que o ministro Aloizio Mercadante teria manobrado para evitar a delação premiada do senador Delcídio Amaral adicionou volatilidade aos negócios. Os ativos brasileiros vinham acumulando ganhos até a semana passada, com a análise de que os recentes fatos levariam ao afastamento da presidente Dilma Rousseff. Essa percepção ganhou força até os protestos de domingo contra o governo Dilma, Lula e em apoio ao juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato. Estadão Conteúdo

Foto: Divulgação

A quarta-feira (14) amanheceu triste para família do ator Alan Rickman. Conhecido por diversos personagens famosos como o Severus Snape, na saga 'Harry Potter', morreu aos aos 69 anos após luta contra um câncer. A confirmação do falecimento do artista foi feita por sua família ao jornal inglês 'The Guardian'. À emissora BBC, a família do ator, que era casado com Rima Horton, quem conheceu aos 19 anos e ficaram por 50 anos juntos, enviou comunicado falando da morte e explicando a causa do acontecimento. "O ator e diretor Alan Rickman morreu aos 69 anos após lutar contra um câncer. Ele estava cercado pelos amigos e família", diz um trecho. Em 1997, Alan Rickman venceu o Globo de Ouro de melhor ator em minissérie por sua atuação em "Rasputin". Além da saga, o ator interpretou diversos personagens que marcaram a vida dos viciados em filmes e seriados. Ele fez o "Duro de Matar", onde protagonizou o vilão Hans Gruber, em 1988, "Robin Hood: O Príncipe dos Ladrões" (1991) e "Sweeney Todd" (2007). No Twitter, diversos fãs do ator lamentaram a notícia e ficaram surpresos com o acontecimento. "Um grande homem que se vai, descanse em paz, Alan Rickman, você já esta eternizado em nossos corações", "Não consigo acreditar que o Alan morreu. Ele será sempre o nosso Snape. SEMPRE" e "Não dá para acreditar, que tristeza" foram alguns dos comentários dos internautas. iBahia

Foto: EPA/Agência Lusa/Direitos Reservados
Ações contra o Ebola mobilIzaram a África

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou hoje oficialmente o fim da epidemia de Ebola na África Ocidental, após ter encerrado o período de transmissão da doença na Libéria. "Hoje, a OMS declara o fim da epidemia de Ebola na Libéria e afirma que todas as cadeias de transmissão conhecidas na África Ocidental foram travadas", indicou a instituição, com sede em Genebra, na Suíça. Iniciada em dezembro de 2013 na Guiné-Conacri, a epidemia se propagou depois aos vizinhos Libéria e Serra Leoa, três países que concentraram 99% dos casos, tendo atingido, ainda, a Nigéria e Mali.

Vítimas

Em dois anos, o vírus da doença, identificado pela primeira vez há quatro décadas, chegou, importado, à Espanha e aos Estados Unidos, tendo afetado 28.637 pessoas, sendo que  11.315 delas morreram. O balanço, que a OMS admite estar ainda subavaliado, é superior a todas as epidemias de Ebola acumuladas desde a identificação do vírus na África Central, em 1976. Após Serra Leoa, em 7 de novembro de 2015, e a Guiné-Conacri, a 29 de dezembro do mesmo ano, a Libéria chegou hoje ao 42º dia - duas vezes mais do que o período máximo de incubação -, depois de um segundo teste negativo no último paciente. No entanto, o risco persiste porque o vírus permanece em certos líquidos corporais de sobreviventes, principalmente no esperma, onde pode subsistir até nove meses.

Na quarta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, admitiu a possibilidade de o vírus poder reaparecer "nos próximos anos", mesmo que a sua amplitude e frequência devam "diminuir" com o tempo. "Devemos permanecer mobilizados", alertou hoje Peter Graaff, diretor da OMS para a epidemia do Ebola. "Esta doença não nos pode destruir como até agora. Nós, médicos, também fomos afetados (morreram 192 dos 378 contaminados)", disse Francis Karteh, responsável da Célula Nacional de Crise anti-Ebola liberiano. Agência Brasil

Uma britânica de 42 anos decidiu vender a casa em que morava com o seu marido, após descobrir traição dele. Ela encontrou a mensagem da amante do marido enquanto o homem esteve de viagem aos Estados Unidos. De acordo com o jornal britânico 'The Sunday Mercury', o marido havia esquecido o celular em casa e um número desconhecido mandou uma mensagem. O recado era de uma americana descrevendo a recepção especial que ele seria recebido no país norte-americana. Ao descobrir a traição, a mulher anunciou a casa em um site de venda de imóveis. A residência foi comprada em menos de 15 dias. Ela conseguiu realizar a negociação porque os pais dela tinham assumido a hipoteca depois que o casal enfrentou uma crise econômica. Ainda de acordo com o jornal, ao voltar de viagem, o homem encontrou as fechaduras trocadas e outros moradores no local. "Eu não tinha ideia do que estava acontecendo”, explicou ele. “Eu notei que todos os móveis de Laura tinham ido embora, mas as cadeiras e mesas que eu herdei de meu falecido pai, além do meu conjunto de tacos de golfe e meu rádio vintage – que Laura sempre odiou, estava lá, na cozinha de outra pessoa", completou. iBahia

Foto: Vincent Gilardi/ Fotos Públicas

O número de mortos nos atentados ocorridos há uma semana em Paris subiu para 130, anunciou nesta sexta-feira (20) o primeiro-ministro francês, Manuel Valls. “Os terroristas mataram sem misericórdia, destruindo 130 vidas”, declarou Valls, no Senado francês. A intervenção diante dos senadores franceses em defesa do prolongamento do estado de emergência em vigor no país desde os ataques. De acordo com a Agência Brasil, o gabinete do primeiro-ministro confirmou à agência France Presse que o número foi atualizado depois da morte, na quinta-feira, de um ferido que estava hospitalizado. O balanço anterior contabilizava 129 mortos. Os atentados de 13 novembro deixaram cerca de 350 pessoas feridas. “Muitas lutam ainda contra a morte”, afirmou Valls, ao destacar a prorrogação do estado de emergência em vigor no país desde os ataques. “O estado de emergência é uma resposta imediata, poderosa, eficaz, para proteger os nossos cidadãos, para deter os indivíduos fanáticos, os criminosos que querem atacar o nosso país, os seus valores, atacar a nossa democracia”, declarou o primeiro-ministro. Na quinta (19), o projeto de lei sobre o estado de emergência foi aprovado quase por unanimidade pelos deputados franceses. O texto estabelece a prorrogação, por um período de três meses, do estado de emergência, em vigor desde 26 de novembro. O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou no sábado, em comunicado, a autoria dos atentados de 13 de novembro na capital francesa. BN

Foto: Reprodução
Professora que fez sexo mais 80 vezes com aluno de 15 anos é condenada a 2 anos de prisão

Uma professora que admitiu ter tido um relacionamento afetivo com um estudante de 15 anos foi condenada a dois anos de prisão em Manchester, na Inglaterra. Caroline Berrigan disse ter feito sexo com o garoto mais de 80 vezes. O relação só chegou ao fim quando Caroline engravidou. Ela sofreu um aborto. Inicialmente, a professora havia sido condenada a passar dois anos em liberdade condicional. No entanto, segundo o "Manchester Evening News", um deputado alegou que a a pena aplicada havia sido leve. Com isso, um juiz do Tribunal de Apelação decidiu condená-la à prisão em regime fechado. Correio 24h

Entrevistas
Jorge Rodrigues, organizador do pregão da Festa do Bonfim de Muritiba fala sobre suas experiências nesta celebração cultural
Mídia TV
VT - Moderna Gestão e Assessoria
Mural de Recados
Tarsila escreveu para Joseane
"Vdd eu tbm eu quero saber tbm de todas as notícias desses anos que esta acontecendo muitas coisas ai è bom saber das coisas primeiro..."
Joseane Bonfim escreveu para Anderson Bella
"Ola, tudo bem? Sou Joseane Bonfim e estou fazendo uma pesquisa sobre os blogs da região de SAJ, o Midia Reconcavo se encaixa na categoria de Blog?"
Podcast
Spot - Câmara de Cruz das Almas
Escute o Spot da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas.