Política - Mídia Recôncavo
Recôncavo, Sexta , 14 de Dezembro de 2018
Enquete
Entre Aspas
Seja amor,seja muito amor. E se mesmo assim for difícil ser, Não precisa ser perfeito, Se não der pra ser amor, Que seja ao menos respeito. #CultiveORespeito
  Disse Desconhecido  
Política
Foto: Ascom / FJS

A fim de controlar o avanço da tuberculose na população carcerária, o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap) e a Fundação José Silveira (FJS) firmaram uma parceria. Em encontro, nessa terça-feira (4), as instituições assinaram um Termo de Cooperação Técnica, que visa estabelecer um conjunto de esforços com a realização de ações para promover saúde, cidadania, inclusão social e também melhora na qualidade de vida dos presos. O documento foi assinado pelo presidente da FJS, Geraldo Leite, o secretário da Seap, Nestor Duarte, e pela coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos (CAODH), Márcia Teixeira, que representou a procuradora-geral de Justiça do Estado, Ediene Lousado. De acordo com o MP-BA, o acordo prevê que a agenda de atendimentos da população carcerária seja alinhada pela Seap, que terá a responsabilidade de observar as demandas de diagnóstico da doença no sistema prisional. A secretaria também deverá rastrear e identificar os sintomáticos respiratórios - e os contactantes desse público - e encaminhá-los para a realização de exames. Os testes para a identificação da doença serão realizados pela FJS, que também fará a capacitação das equipes de saúde dos postos instalados nas unidades prisionais. Outra atribuição da fundação é orientar que os contactantes que forem diagnosticados com a doença busquem tratamento nos seus municípios de origem ou na própria entidade. Já o MP-BA fica responsável por demandar os atendimentos de saúde à FJS nas unidades e promover orientações quanto a direitos e acessos a serviços públicos para melhoria da qualidade de vida e bem estar dos presos. Fonte: Bahia Noticias

Foto: Reprodução

O valor foi determinado pela juíza federal Gabriela Hardt, substituta de Sergio Moro a frente da Operação Lava Jato, que considerou que o montante equivale às vantagens indevidas distribuídas pela empreiteira durante a construção da Torre Pituba, sede da Petrobras na Bahia. Cesar Mata Pires Filho é acusado de participar de um esquema de fraude, superfaturamento e desvio de verbas do empreendimento, que foi feito com dinheiro da Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, e realizado pelas empreiteiras OAS e Odebrecht. A investigação avançou graças aos depoimentos de ex-funcionários da controladoria da OAS, o departamento de propinas e caixa dois da empreiteira baiana, que se tornaram delatores da Lava Jato. Segundo a PF, os contratos do empreendimento foram direcionados e superfaturados para que houvesse pagamento de ao menos R$ 68,3 milhões em vantagens indevidas. Três desses ex-funcionários do departamento de propina da empreiteira afirmaram em depoimento à Polícia Federal que Cesar Mata Pires Filho, herdeiro da companhia, sabia dos pagamentos de ilegais referentes à obra da Torre Pituba. Os executivos que implicaram o herdeiro da empreiteira baiana no esquema de corrupção foram José Maria Linhares Neto, Ramilton Machado Júnior e Roberto Souza Cunha. Linhares Neto, que foi responsável pelo controle da distribuição do caixa dois da OAS, disse aos investigadores que a empreiteira se valia dos serviços de um doleiro para levantar os recursos para a propina. Ao falar sobre a autorização para esses pagamentos disse que "Leo Pinheiro e também Cesar Mata Pires Filho tinham ciência de que havia pagamentos de vantagem indevida na obra referida dado o volume de recursos que foram pagos". Ramilton Machado Junior, também executivo do departamento de propinas da OAS, relatou que em 2014 participou de uma reunião com Mata Pires Filho para resolver um impasse diante de um contrato fictício que seria feito para escoar propina para o PT. Leo Pinheiro, então presidente da empresa, teria ordenado que fosse feito um contrato de fachada de R$ 1,6 milhão com uma empresa de Renato Duque, ex-diretor da Petrobras. Ramilton analisou o porte da empresa de Duque e constatou que ela não executava nenhum contrato significativo naquele momento. Isso junto ao fato de o dono da empresa ser um ex-dirigente da Petrobras significava alto risco de exposição para a OAS, segundo o executivo. Diante do impasse foi convocada uma reunião entre Ramilton, Leo Pinheiro e Cesar Mata Pires Filho. Nela Pinheiro explicou que era necessário fazer o acerto com a empresa de Renato Duque, que já estava "chateado" e se sentindo abandonado. Leo Pinheiro disse ao executivo que o dinheiro pago à empresa de Duque deveria ser descontado do acerto feito com o Partido dos trabalhadores referente à Torre Pituba. Outra situação semelhante foi relatada por Roberto Souza Cunha, também da controladoria, que falou aos policiais sobre um impasse quanto a um contrato fictício que seria assinado com a empresa Mendes Pinto Empreendimentos. Ele e Ramilton consideraram arriscado o negócio, pois o objeto do contrato seria muito frágil: estudo sobre a recuperação de uma área explorada por uma mineradora. A decisão de contratar a Mendes Pinto veio do herdeiro da OAS, segundo o depoente. "Elmar Varjão [diretor da OAS Nordeste] foi até Cesar Filho, que determinou que o contrato deveria ser feito", disse. Fonte:Folhapress

Foto: Arquivo BNews

Principal articulador da candidatura de Nelson Leal à presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), o vice-governador João Leão (PP) soube pelo BNews do acordo que selou o seu correligionário como candidato único da base governista. “Tô sabendo agora, a reunião foi só com os deputados”, exclamou. “Só tenho a dizer obrigado aos deputados por terem escolhido um parlamentar sério, que honra a Bahia e será um excelente presidente. Fico feliz de Rui Costa ter aprovado. Foi um processo democrático, Rui não impôs. Foi uma Ele poderia ter outro candidato predileto, mas terminou concordando com a escolha dos deputados. É uma prova que a nossa base está unida”, emendou. “O chefe pepista disse que o nome de Leal também aglutinará votos da oposição. “A oposição vai marchar junto, Nelson Leal tem jogo de cintura. Não tem sentido a oposição ter candidato [próprio]. [Vai ser] uma paz na Assembleia”. EM TEMPO - No encontro com o governador Rui Costa (PT) nesta segunda-feira (3) Leão tratou apenas da iniciativa de uma empresa que construirá uma nova fábrica na região do médio São Francisco para produzir sucos e engarrafar água de coco, com investimento de 30 milhões de dólares. Fonte: Bocão News

Foto: Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou ou baixou para a primeira instância mais da metade dos inquéritos abertos com base na delação da Odebrecht, anunciada como a “delação do fim do mundo” que viria a comprometer dezenas de parlamentares com foro especial. Dos 83 inquéritos analisados pela Folha de S.Paulo decorrentes da delação da empreiteira, 49 (ou 59% do total) não estão mais no Supremo: 22 foram arquivados, a maioria por falta de provas, e 27 desceram para o primeiro grau, a maior parte para a Justiça Eleitoral, e não criminal. Nos casos de remessa, os ministros aplicaram o novo entendimento da corte, firmado em maio deste ano, que restringiu a prerrogativa de foro perante o STF a supostos crimes cometidos no cargo e em razão dele. Muitos fatos delatados sobre parlamentares eram de antes de eles se elegerem. Das 22 investigações da Odebrecht que o Supremo arquivou, ao menos 13 não encontraram provas que corroborassem os relatos dos delatores, segundo o entendimento dos ministros. Fonte: Bahia.Ba

Foto: Reprodução/UOL

Um ano e meio após as delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista virem à tona, a JBS, dona da Friboi, voltou a se recuperar – e os dois estão R$ 2,5 bilhões mais ricos. A informação é do Estadão. De acordo com o jornal, hoje, o valor de mercado da empresa – quase R$ 32 bilhões – é 23% maior que no dia 17 de maio de 2017, quando as gravações de Joesley com o presidente Michel Temer tornaram-se públicas. As ações nas mãos dos Batistas, que detêm 40,6% da companhia, somam hoje R$ 13 bilhões. Um dos maiores produtores de carne bovina do mundo, o grupo também teve seu nome envolvido, em março do ano passado, na Operação Carne Fraca, que investiga irregularidades e pagamentos de propinas a agentes do Ministério da Agricultura. Mesmo com a reputação arranhada, o grupo conseguiu blindar sua operação e aumentar as vendas da companhia. Para conter a crise e evitar o desmanche do império da família, Joesley e Wesley deixaram, em maio de 2017, o conselho de administração da JBS e de outras empresas sob o comando da holding J&F. Desde então, passaram a negociar diretamente com bancos e investidores a venda de parte de seus negócios para fazer caixa e evitar a cobrança antecipada de dívidas de cerca de R$ 20 bilhões que venciam até 2020. Fonte: Bahia.Ba

Foto: © Reuters

Com o argumento de enxugar a máquina pública, alguns auxiliares de Jair Bolsonaro tentam convencer o presidente eleito a acabar com o Ministério dos Direitos Humanos. De acordo com a coluna “Painel”, da Folha de S. Paulo, o grupo quer que a pasta seja rebaixada, tornando-se uma secretaria especial. O Ministério dos Direitos Humanos foi criado em 1997, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Fonte: Noticias ao Minuto

Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

Os esquemas de corrupção investigados pela Operação Lava Jato já provocaram um prejuízo de pelo menos R$ 1,5 bilhão aos cofres públicos do Rio de Janeiro, segundo levantamento feito pelo jornal O Globo. Foram descobertos crimes como pagamento de propina, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e fraude em licitações. Esta semana, a Operação Boca e Lobo, um desdobramento da Lava Jato, prendeu o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. O Ministério Público Federal (MPF) o acusa de ter recebido R$ 40 milhões em propinas e ainda classificou como "assustador" o montante retirado dos cofres públicos. Fonte: Bahia Notícias

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro comparou nesta sexta-feira a situação de índios em reservas com a de animais presos em zoológicos. A declaração aconteceu ao responder um jornalista sobre a possibilidade do Brasil reduzir o desmatamento e a emissão de gases de efeito estufa.  "Sobre o acordo de Paris, nos últimos 20 anos, eu sempre notei uma pressão externa – e que foi acolhida no Brasil – no tocante, por exemplo, a cada vez mais demarcar terra para índio, demarcar terra para reservas ambientais, entre outros acordos que no meu entender foram nocivos para o Brasil. Ninguém quer maltratar o índio. Agora, veja, na Bolívia temos um índio que é presidente. Por que no Brasil temos que mantê-los reclusos em reservas, como se fossem animais em zoológicos?", afirmou Bolsonaro. O Brasil é um dos 195 países signatários do Acordo de Paris, que tem como objetivo combater o aquecimento global no mundo. Ao longo da campanha eleitoral, no entanto, Bolsonaro disse que pode tirar o Brasil dele por entender que medidas previstas comprometem a soberania nacional.

"O índio é um ser humano igualzinho a nós. Quer o que nós queremos, e não podemos usar o índio, que ainda está em situação inferior a nós, para demarcar essa enormidade de terras, que no meu entender poderão ser, sim, de acordo com a determinação da ONU, novos países no futuro", apontou o presidente eleito. Fonte: Bahia Notícias

Foto: Adenilson Nunes/BNews

O prefeito ACM Neto (DEM) teceu duras críticas ao projeto do governo do Estado que prevê o aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores, de 12% para 14%. O argumento do Palácio de Ondina é contornar os efeitos da crise econômica. "Sinto o Rui Costa de 2018 como a Dilma de 2014. A Dilma de 2014 se reelegeu com um discurso, depois teve que adotar uma prática completamente diferente. Ontem, aquele vídeo que ele gravou é constrangedor. Há um estelionato eleitoral. Ele maquiou, durante a campanha, a grave situação fiscal da Bahia. Agora ele diz que a situação é dificílima, não disse que faria uma reforma da Previdência, que aumentaria a alíquota da contribuição. Ele rasga o que disse na campanha. Estamos diante de um quadro muito sério", disse o prefeito na manhã desta sexta-feira (30), em entrevista coletiva na sede da prefeitura. Fonte: Bocão News

Foto: Divulgação

O futuro ministro escolhido por Jair Bolsonaro para chefiar a pasta da Cidadania, que abrigará os atuais Desenvolvimento Social, Esporte e Cultura, deu uma declaração controversa sobre suas novas atribuições. À Folha de S. Paulo, Osmar Terra (MDB) afirmou que não conhece nada sobre os dois últimos temas do ministério ao qual estará à frente. "Só toco berimbau", afirmou, dando gargalhadas. Após a fala de Terra, nas redes sociais Caetano Veloso o desafiou: “Tocar berimbau é uma coisa muito difícil. O ministro tem que provar que sabe tocar berimbau”, disse o cantor e compositor baiano, em tom descontraído. Manno Góes, que também estava presente, completou: “além do que, o berimbau é um instrumento histórico”. À Folha, Osmar Terra disse ainda que desconhece a maioria de suas atribuições, mas defende uma auditoria na Lei Rouanet, apesar de confessar não saber muito sobre a política de incentivo. "Eu não tenho conhecimento ainda como está, mas pelo que acompanhei no noticiário tem que auditar a Lei Rouanet, saber como foi gasto esse dinheiro dela. Tem que se estabelecer, talvez, um limite, não pode dar 10 milhões para uma pessoa, 20 milhões para outra, não dar nada para a cultura popular. Tem que estabelecer cota, eu acho, de valores", avaliou o futuro ministro, que ao ser perguntado sobre se tinha alguma experiência na área, afirmou que "Cultura é um mundo, né? E um mundo problemático". Fonte: Bahia Notícias

Entrevistas
Organizadores do “Bloco As Muriquetes” falam sobre a expectativa deste evento que vem animando os muritibanos a cada ano
Mídia TV
VT - Moderna Gestão e Assessoria
Mural de Recados
Tarsila escreveu para Joseane
"Vdd eu tbm eu quero saber tbm de todas as notícias desses anos que esta acontecendo muitas coisas ai è bom saber das coisas primeiro..."
Joseane Bonfim escreveu para Anderson Bella
"Ola, tudo bem? Sou Joseane Bonfim e estou fazendo uma pesquisa sobre os blogs da região de SAJ, o Midia Reconcavo se encaixa na categoria de Blog?"
Podcast
Spot - Câmara de Cruz das Almas
Escute o Spot da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas.