Política - Mídia Recôncavo
Recôncavo, Quinta , 15 de Novembro de 2018
Enquete
Entre Aspas
Seja amor,seja muito amor. E se mesmo assim for difícil ser, Não precisa ser perfeito, Se não der pra ser amor, Que seja ao menos respeito. #CultiveORespeito
  Disse Desconhecido  
Política
Foto: Divulgação

O interrogatório do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sede da Justiça Federal, em Curitiba, terminou por volta das 17h50 desta quarta-feira (14). Ele já voltou para a carceragem da Polícia Federal. Ele começou a ser interrogado pela juíza federal substituta Gabriela Hardt por volta das 15h no processo da Lava Jato que investiga reformas feitas no sítio de Atibaia. A audiência começou às 14h com o depoimento do pecuarista José Carlos Bumlai, também réu no processo. Lula é réu nesta ação penal acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Apoio: Um grupo de petistas presentes na Justiça Federal de Curitiba foi ao local dar apoio ao ex-presidente Lula. Entre outras lideranças, destacam-se as presenças dos senadores Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, e Lindbergh Farias. Os correligionários presentes gritaram em coro a frase “boa tarde, presidente Lula” e teceram críticas ao novo depoimento. “O que representa isso hoje é mais uma peça teatral. Não entendemos porque Lula tem que fazer esse depoimento. Aliás, porque ele está sendo processado. Qual é o crime que Lula cometeu?”, questionou Gleisi. A parlamentar também afirmou que a nova juíza designada pelo caso, Gabriela Hardt, é “amiga” do futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, e que os petistas já esperam uma nova condenação “sem provas”. “Esse processo deveria ter sido redistribuído tecnicamente”, afirma. Fonte: Forte na Notícia

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, afirmou que o atual presidente, Michel Temer, por lei, terá de vetar o reajuste de 16,38% aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovado pelo Congresso.  "Não vejo que é uma questão de pressionar [o atual governo para vetar. O artigo 21 da Lei de Responsabilidade Fiscal não permite que se assine aumento nos últimos 180 dias de governo. Então, eu acho que, por lei, o presidente Temer terá de vetar", pontuou em entrevista a GloboNews e ao G1 nesta segunda-feira (13).  Caso Temer sancione o reajuste, o salário dos ministros do STF passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil -- o que causará o chamado "efeito cascata" nas contas públicas, porque o valor representa o teto do funcionalismo público. Segundo cálculos de consultorias da Câmara e do Senado, o reajuste poderá causar um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas. Mourão disse ainda que a vitória da chapa não é a volta dos militares ao poder. "Tanto o Bolsonaro quanto eu fomos eleitos como cidadãos. Nós não representamos a instituição Forças Armadas. Nós representamos aquele grupo de eleitores que optaram pelo nosso projeto", afirmou. O general também afirmou que a "linha" entre a instituição Forças Armadas e o governo "não será ultrapassada". "Até porque, desde o presidente Castelo Branco, salutarmente, ele afastou os militares que entraram na política dos quarteis". Fonte: Bocão News

Foto: Arquivo Agência Brasil / José Cruz

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou nesta terça-feira (13) nas redes sociais o general da reserva Fernando Azevedo e Silva como futuro ministro da Defesa. O militar, que ajudou na formulação de propostas para a campanha do capitão reformado, deixou neste ano o Alto Comando do Exército e passou a auxiliar a presidência do STF (Supremo Tribunal Federal), chefiada pelo ministro Dias Toffoli. Antes de assumir essa função, Azevedo e Silva era chefe do Estado-Maior do Exército -cargo hoje ocupado pelo general Paulo Humberto. O general exerceu também os cargos de Presidente da Autoridade Pública Olímpica e de comandante Militar do Leste no Rio de Janeiro. A nomeação à Defesa foi feita por sugestão do general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Azevedo e Silva é da turma anterior à de Bolsonaro na academia de formação de oficiais. Eles serviram juntos na Brigada Paraquedista. Fonte: Folhapress

Foto: Reprodução/José Cruz/ Agência Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), deve intensificar sua agenda de transição de governo. As prioridades são definir pontos específicos da reforma da Previdência e pelo menos outros quatro ministros para as pastas de Saúde, Meio Ambiente, Defesa e Relações Exteriores. De acordo com a Agência Brasil, Bolsonaro também tem uma reunião marcada com sua futura ministra da Agricultura, a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS). No caso da Previdência, que o novo governo trabalha para aprovar ainda esse ano, o capitão recebeu diversas propostas, mas disse que ainda não definiu quais vai levar adiante. De acordo com a publicação, o presidente negou a possibilidade de aumentar para 40 anos o período mínimo de contribuição para o recebimento integral da aposentadoria. Fonte: Bahia.Ba

Equipe de assessores econômicos do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), convidou o economista Joaquim Levy para presidir o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Ex-ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff, Levy é engenheiro naval e PhD em economia pela Universidade de Chicago (EUA). Era diretor do Bradesco até ser convidado para o cargo de ministro, em novembro de 2014. Ele permaneceu no posto até dezembro de 2015, quando foi substituído por Nelson Barbosa. Atualmente, Levy é diretor financeiro do Banco Mundial. O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, quer que o ex-ministro da Fazenda na gestão Dilma fique à frente do banco público, mas ainda não recebeu uma resposta. Além disso, Guedes também tem manifestado o desejo de manter três nomes do governo Michel Temer na gestão Bolsonaro. No desenho da equipe do presidente eleito, Ana Paula Vescovi, atual secretária-executiva do Ministério da Fazenda, ficaria com a presidência da Caixa Econômica Federal. O atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, seria mantido também na área econômica. Guedes pretende ainda manter Ivan Monteiro, presidente da Petrobras, no comando da estatal. Não há confirmações ainda de que os convites tenham sido aceitos. Fonte:  Folhapress.

Reprodução: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

A defesa de Joesley Batista formalizou o pedido de revogação da prisão revogada contra o empresário pelo Tribunal Regional Federal (TRF1) da 1º Região em Belo Horizonte. As informações são da Agência Brasil. De acordo com a publicação a solicitação foi feita à desembargadora Mônica Sifuentes, que expediu os mandados da Operação Capitu. O autor do pedido, o advogado André Callegari, argumenta que não há mais necessidade do empresário ficar na prisão temporária, já que ele cumpriu as obrigações da Justiça. Além de Joesley e de Andrade, que foi ministro da Agricultura no governo Dilma Rousseff, tiveram o pedido de prisão temporária expedidos o deputado estadual João Lúcio Magalhães Bifano (MDB), Marcelo Pires Pinheiro e Fernando Manuel Pires Pinheiro, Ildeu da Cunha Pereira; Mateus de Moura Lima Gomes; Mauro Luiz Rodrigues de Souza Araújo; José Francisco Franco da Silva Oliveira; Cláudio Soares Donato; Odo Adão Filho; Waldir Rocha Pena; Walter Santana Arantes; Rodrigo José Pereira Leite Figueiredo; Ricardo Saud; Demilton Antonio de Castro e Florisvaldo Caetano de Oliveira, que se entregou hoje em São Paulo. Fonte: Bahia.Ba.

Foto: DR

Uma campanha online contra o reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já conta com mais de 2 milhões de assinaturas. A iniciativa foi feita pelo Partido Novo, que também peticionou o presidente Michel Temer contra o aumento. PUBLICIDADE: Segundo a legenda, o reajuste "causa enorme impacto fiscal em todos os Estados brasileiros, devido a alteração do teto de salários do funcionalismo público". Se sancionado o projeto de lei que prevê o aumento, a remuneração dos ministros passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil mensais. Cálculos feitos por consultorias da Câmara dos Deputados e do Senado apontam que o chamado "efeito cascata" causado pela expansão do teto do funcionalismo público pode custar cerca de R$ 4,1 bilhões. Estados que enfrentam crises financeiras, como o Rio de Janeiro e Minas Gerais, poderão sofrer para cobrir o aumento na folha de pagamento dos servidores. "O NOVO sustenta que o chefe do Poder Executivo não pode aumentar a despesa com os servidores faltando menos de 180 dias para término de seu mandato, conforme dispõe a Lei de Responsabilidade Fiscal", afirma o partido. A campanha online, que até o fim da noite desta sexta-feira, 9, contava com 2.273.834 assinaturas, foi anexada à petição encaminhada ao Planalto. A meta do partido é atingir a meta de 3 milhões. Fonte: Notícias ao Minuto

Foto: Vaner Casaes/ AL-BA

Os deputados estaduais esperam a volta do governador Rui Costa (PT) para começarem a discutir a sucessão de Angelo Coronel (PSD) – eleito senador no pleito de outubro – no comando da Assembleia Legislativa da Bahia, bem como com quem ficará a liderança do governo na Casa. Nos bastidores, circulam com força os nomes dos petistas Zé Raimundo e Robinson Almeida para a liderança governista, hoje ocupada por Zé Neto (PT), eleito deputado federal nas eleições de outubro. Já para a presidência da Casa, os nomes de Alex Lima (PSB), Rosemberg Pinto (PT), Nelson Leal (PP), e Adolfo Menezes (PSD) estão entre os mais cotados. Em conversa com o bahia.ba nesta semana, Alex Lima disse que só aguarda a posição do governador para decidir sobre o futuro de sua candidatura. Fonte : Bahia.Ba

Foto: Ailton de Freitas / Agência Câmara

Antes entusiasmados com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL), integrantes da bancada da bala no Congresso Nacional agora se dizem frustrados com o tratamento dado pelo presidente eleito. Parlamentares do grupo dizem que o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), dificulta a aproximação com o capitão. Segundo informações do blog Painel, da Folha de S. Paulo, desde que o líder do grupo, Alberto Fraga (DEM-DF), se lançou como futuro ministro da articulação política, Bolsonaro não se encontrou com a bancada. Durante a campanha, ele manteve contato constante com os membros, já que a revisão do Estatuto do Desarmamento é uma de suas principais bandeiras. Fonte: Bahia Notícias

Foto: Divulgação

O desembargador Jatahy Junior, relator da Condotieri no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) publicou decisão em que permite que o vereador Rodrigo Oliveira da Silva Moreira (PSDB) volte ao posto. Ele ocupa o mandato na Câmara Muncipal de Vitória da Conquista. O magistrado negou, porém, a suspensão do sigilo telemático e o bloqueio de bens. Moreira foi acusado pela Polícia Federal de oferecer empregos no presídio da cidade, em troca de apoio na campanha e de votos. Os suspeitos teriam também usado a rutura de outros órgãos públicos, como o Detran e a zona azul, para o mesmo fim e para falsificar recibos entregues na prestação de contas à Justiça Eleitoral. Além do vereador, estão envolvidos no esquema um ex-presidente da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista, o assessor de um deputado federal, um ex-deputado estadual da Bahia, assessores, o ex-diretor do 4º Ciretran de Vitória da Conquista, membros da empresa que administra o novo presídio de Vitória da Conquista, sócios administradores do consórcio zona azul, além de outras pessoas. Fonte: Metro1

Entrevistas
Organizadores do “Bloco As Muriquetes” falam sobre a expectativa deste evento que vem animando os muritibanos a cada ano
Mídia TV
VT - Moderna Gestão e Assessoria
Mural de Recados
Tarsila escreveu para Joseane
"Vdd eu tbm eu quero saber tbm de todas as notícias desses anos que esta acontecendo muitas coisas ai è bom saber das coisas primeiro..."
Joseane Bonfim escreveu para Anderson Bella
"Ola, tudo bem? Sou Joseane Bonfim e estou fazendo uma pesquisa sobre os blogs da região de SAJ, o Midia Reconcavo se encaixa na categoria de Blog?"
Podcast
Spot - Câmara de Cruz das Almas
Escute o Spot da Câmara de Vereadores de Cruz das Almas.